O meu voyeur.

Meu nome é Stella, tenho 26 anos e cinco de casada, tenho um corpo bem legal, sou morena clara, cabelos e olhos escuros, tenho pernas e coxas bonitas, seios meio grandes sem ser exagerados e uma bunda bem trabalhada.

Não sou uma mulher perfeita, apenas me cuido, mas isso me faz despertar a admiração de homens e mulheres, e acabo recebendo varias cantadas de ambos, por onde quer que eu passe.

Depois de muito tempo morando num apartamento, descobri por acaso que eu tinha um observador “voyeur” que do terraço do seu prédio, que fica a duas quadras do meu, já ha muito tempo me observava com uma luneta armada em um tripé.

Ele, de tanto me observar ja conhecia meus horários e meus hábitos, por isso já fica de prontidão esperando que eu fosse pro banho, pois isso era o que eu fazia sempre que chegava em casa depois do trabalho.

Não sei como ele descobriu o numero do meu celular, e depois de uma trepada bem gostosa com meu marido, no dia seguinte quando eu estava em casa ele me ligou. Não se identificou apenas me disse:

“Foi uma trepada maravilhosa ontem a noite, seu marido é um cara de sorte, ter um mulherão desse pra foder a vontade todos os dias…”

Olhei o celular pra ver o numero mas era restrito, olhei pra tras e não vi ninguém pois o prédio dele ficava um pouco distante, mas como eu faço tudo com a janela aberta era possível que alguém com um binoculo ou uma luneta poderia me ver sim, mesmo a distância.

No começo fiquei brava, fechei a janela, achei aquilo uma invasão de privacidade, alguém me espionar e ainda ligar no meu celular pra me falar o que viu.

Fiquei uns dias pensando sobre aquilo, e quem poderia ser o meu “voyeur” e, quando percebi minha xota estava bastante úmida e meu grelo que já é grande bastante durinho e sensível, fui logo pro banheiro e me acabei numa deliciosa siririca, gozei ate ficar mole.

Mantive minha janela fechada ate na quinta feira, mas durante esses dias eu não parava de pensar naquele telefonema, imaginava o que ele poderia ter visto durante o tempo que me espionava, e eu acabava cheia de tesão imaginando ele me observando.

Com o meu marido viajando, e só chegaria na semana seguinte, na sexta, ao chegar do serviço abri de novo minha janela, escancarei, e pensei comigo se ele quer ver e se estou sozinha que mal tem em fazer ele ficar com tesão, ele já me viu pelada mesmo.

Comecei então a usar o meu lado putinha, e me exibir para o meu admirador, comecei a tirar minha roupa lentamente, virada pra janela e procurando observar pra ver se eu via alguém, mas inútil, eu não via ninguém.

Tirei a blusa branca que eu usava, a calça jeans colada, fiquei só de calcinha, bem minúscula e branca e sutiã da mesma cor, girei meu corpo em 360º com meus braços levantados um pouco acima da cabeça, pra que ele pudesse me admirar por inteiro, depois me virei pra ir pro banho, dei alguns passos e tocou o celular, atendi, era ele!!!

“Ah, estava tão bom, tira o resto, deixa eu admirar essa escultura maravilhosa…”

Do jeito que eu estava atendendo o celular, de costas pra janela comecei a tirar o sutiã, depois a calcinha, lentamente, descendo ela ate meus pés, e assim deixando meu bunbum virado pra janela dando a ele uma visão fantástica da minha buceta e do meu cuzinho vistos por tras.

Fiquei nessa posição por uns três minutos, abri minhas nádegas e fiquei contraindo meu cuzinho, piscando pra ele, o mesmo fiz com minha buceta, que a essa altura já estava escorrendo meu suquinho.

Ao pegar o celular ele me pediu pra continuar na mesma posição pois ele estava tocando uma punheta pra mim e estava quase gozando, pude ouvir seus gemidos de prazer e a respiração ofegante até ele gozar.

Me ergui e fiquei de frente pra janela dando a ele uma bela visão do meu corpo nu, dos meus seios e minha bucetinha, depois fui pro meu banho.

Depois do banho, e de me secar me dirigi ao meu quarto, lá sequei meus cabelos e fiquei desfilando pelo apartamento completamente nua e cheguei até a sacada, eu tinha certeza que ele continuava me olhando, e eu imaginando quantas punhetas ele ainda tocaria em minha homenagem, depois jantei, apaguei as luzes e fui dormir.

No sábado de manhã acordei com a claridade pois dormi com a janela aberta, assim que levantei o celular tocou, era ele!!!

“Bom dia minha deusa, dormiu bem?”

“Dormi, maravilhosamente bem, e você, não dorme?”

“Dormi pouco pois preferi ficar admirando sua beleza, seu corpo lindo, essa bunda maravilhosa, esse cuzinho rosado e sua bucetinha com esse grelão gostoso que eu adoraria chupar, isso tudo me tirou o sono!!!.”

“AH sei!!! Tocou alguma punheta pra mim nesse tempo?”

“Sim claro, três durante a noite, gozei como louco!!!. Mas eu gostaria de te pedir uma coisa, posso?”

“Depende, eu ainda não sei quem você é, nunca te vi, e nem sei de onde você me observa!!!”

“Eu te observo da cobertura do prédio, com uma luneta num tripé, mas não da pra ver tudo, quando você está deitada eu não consigo ver, dorme na sala, naquele colchão de ar que você e seu marido estavam trepando, e deixa a porta aberta como aquele dia, assim eu posso ver tudo, faz isso pra mim?”

“Tá pedindo muito, Vou pensar, mas o que você queria me pedir além disso?”

“Você acabou de acordar e sei que quer fazer xixi, deixa eu ver!!!”

“Mas como?”

“Você deve ter uma jarra de vidro, ou outra vasilha transparente, quero ver o xixi saindo da sua buceta e caindo dentro dele!!!”

“Você deve ser louco!!!”

“Sou, mas só por você, o meu prazer é te ver, te observar, te desejar, mas como eu sei que é impossível ter você em meus braços, te levar pra cama e foder você de todas as maneiras, lamber esse cuzinho e chupar sua buceta greluda, eu me contento só em observar e matar minha vontade tocando punheta e pensando em você.”

Fiquei um pouco calada imaginando tudo aquilo que ele acabara de dizer e pensando, como esse homem poderia me fazer gozar gostoso só usando sua língua, e me levar ao delírio. Ouvi de novo sua voz no celular!!!

“Faz xixi como eu te falei, e eu quero me banhar nele, despejar na minha cabeça e deixa-lo escorrer por todo o meu corpo, senti o gosto dele em minha boca e ficar assim o dia inteiro com o cheiro de algo que saiu de você impregnado em meu corpo.”

“Você vai ficar cheirando xixi o dia todo?!!!”

“Vou, eu sei que o xixi é seu, assim não vou te esquecer um só instante. O outro pedido é que se for possível me de aquela calcinha que você tirou pra mim ontem a noite, se você ainda não tiver lavado, quero sentir seu cheiro da sua buceta impregnado nela, prometo que te devolvo logo!!!.”

“Você é bem ousado e bem audacioso, hein!” – respondi.

Fiquei com meu coração batendo ligeiro, uma verdadeira taquicardia, aquela conversa estava mexendo comigo, me envolvendo e me deixando com o tesão a flor da pele.

Eu tinha que conhecer aquele homem, e aquilo que ele achava que seria impossível, ter a mim em seus braços, me levar pra cama e me foder gostoso, lamber meu cuzinho e chupar minha buceta greluda, eu mesma cheguei a conclusão de que era possível sim, com o meu tesão nas alturas agora eu já estava desejando isso.

Fui até a cozinha peguei uma jarra de vidro e fui ate a porta da sala que dava pra sacada, ainda nua como tinha acordado, me abaixei e fiz o que ele queria ver, com dois dedos abri meus lábios vaginais e segurando a jarra com a outra mão fiz xixi na jarra, depois me levantei e ergui a jarra como um troféu pro meu voyeur.

No celular ele me pediu pra colocar o xixi em um vidro e a calcinha tudo em uma bolsa e deixar na portaria que alguém viria buscar, fiz tudo como combinado, e a tarde ele mandou um vídeo em meu e-mail no qual ele cheirava minha calcinha e depois despejava meu xixi na cabeça e boca deixando escorrer pelo seu corpo.

Não vi seu rosto pois estava com um mosaico, mas tinha um corpo bonito e bem feito. Ao ver aquela cena não aguentei o tesão, sentei numa poltrona virada pra sacada e lá fui eu me exibir pro meu voyeur com mais uma gostosa siririca.

A noite tudo que ele me pedia pra fazer eu fiz, eu já estava dominada, escravizada por aquele homem, mas dormi feliz em ter me exibido tanto durante o dia, e saber que do outro lado tinha alguém me vendo e me homenageando com muitas punhetas. Acordei de manhã com o celular tocando!!!

“Bom dia minha deusa, dormiu bem? Eu já estou ficando magro de tanto tocar punheta pensando em você…” – ainda meio sonolenta respondi:

“Você está me torturando, não estou aguentando mais, me leva pro motel e me come bem gostoso, você achava que era impossível, pois não é, sou toda sua.” – houve um silêncio, por um instante achei que ele tinha desistido.

“Ah, não acredito, tá falando sério?, é serio mesmo?!!!”

“É serio sim, e se demorar muito eu mudo de ideia…”

Marcamos um encontro, eu me produzi toda como se fosse a uma festa, apenas pra me encontrar com meu voyeur, cheguei ao local e em pouco tempo ele apareceu, eu iria dar pra um desconhecido mas que em dois dias de conversa pelo celular parecia que já nos conhecíamos ha muito tempo.

Enfim conheci o meu observador e vi o seu rosto, um ano mais novo que eu, bonito charmoso e corpo bem atlético, logo que entrei no seu carro ele devolveu minha calcinha, depois de cheira-la mais uma vez na minha frente.

Eu estava louca de desejo por aquele macho viril, e em seis anos de casada, e depois de levar muitas cantadas pela rua eu estava pronta pra trair meu marido pela primeira vez.

Rumamos pra um motel na saída da cidade. Tão logo chegamos, entramos, fechamos a porta, foi quando ele me olhou, sem nada dizer, se aproximou e me beijou, nos agarramos e caímos na cama, sem dizer uma palavra.

Tratei logo de liberar seu pau e fui abocanhando e chupando com vontade, eu comecei a masturbá-lo e senti que ele já estava latejando, meu voyeur não conseguiu segurar o tesão e jorrou seu gozo quente na minha boca, foi a primeira vez que engoli porra de outro homem.

Minha buceta estava ensopada, tão logo aquele pau ficou duro de novo eu o empurrei para que ele deitasse na cama, montei em cima dele e minha buceta encaixou gostoso no seu pau.

Fui cavalgando sua rola que não era muito grande, eu gemia, ele gemia e acabamos gozando juntos, eu gozei muito naquela pica, pois era a minha primeira vez com outro homem, e já que eu estava traindo meu marido queria que valesse a pena, não queria ficar frustrada, envergonhada e voltar pra casa arrependida.

Depois de um descanso fiquei de quatro oferecendo meu cuzinho e disse:

“Vem quero que goze no meu cu, fode gostoso o meu cu, quero sentir esse pau me rasgando…” – ele não pensou duas vezes, veio, lambeu meu cuzinho ate ficar bem molhadinho, encostou a cabeça do pau na entradinha e foi empurrando, abrindo caminho, ate suas bolas começarem a bater na minha buceta.

Meu cuzinho já tinha engolido sua vara por completo e ele começou a bombar com força, estava uma delicia sentir seu pau entrando e saindo do meu cuzinho enquanto eu contraia meu anelzinho mastigando sua vara.

Senti ele aumentar seu ritmo e logo ele gozou, e sua porra quentinha foi jorrando la no fundo, essa sensação gostosa também me fez gozar como nunca tinha gozado antes.

Foi a primeira vez que trai meu marido, depois dessa aventura com um estranho dormimos agarradinhos por umas três horas naquela cama de motel, tomamos banho juntos e ele me levou de volta me deixando próximo ao meu prédio.

O meu voyeur fez minha traição valer a pena com o serviço completo, tenho certeza que ele vai continuar me observando até a próxima ida ao motel.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s