Homem proibido.

Sentir tesão por alguém proibido é foda! Nunca me imaginei nessa situação. Juro que tentei resistir. Morávamos apenas eu e ela no Ap da Avenida Principal. De vez em quando, pela manhã, eu a acordava gritando: “Bom dia”!!! E tchi bum!! Para cima dela na cama.

Rolávamos uma por cima da outra e ríamos muito. A danadinha acordava com incrível bom humor quando eu a surpreendia com meu jeito delicado de ser.

Já deitada em sua cama, ficava olhando para ela quando saía do banheiro enrolada na toalha. Depois passava hidratantes, se maquiava e se aprontava diante de mim antes de sair pro trabalho. Como eu a admirava! Que gata!!

Mas naquele momento, me intrigava como a gostosona andava mais sensual, mais assanhada.

Um dia, ao chegar da faculdade, encontro sentado no sofá da sala o motivo daquele assanhamento todo. Ainn! meu deus!! O que que era aquilo??!!

Um moreno delicioso vestindo calça jeans e camiseta de malha, todo esparramado no sofá da sala com cara de cachorrinho safado, querendo afago.

Era um quarentão maravilhoso, de furinho no queixo e lábios carnudos, sorrindo para mim. Não pude deixar de apreciar aquele gostoso.

“Caraio” maluco! Cara folgado! Se eu estava felizinha a alegria foi por água abaixo. Não consegui abrir meio sorriso, principalmente quando A MINHA MÃE me apresentou Rogério como seu namorado. Meu ciúmes atingiu níveis alarmantes.

Mas vamos combinar que o cara era muito gato! Minha nossa!! Que lasca de moreno!! Quando ele resolveu abrir aquela boca linda pra dizer:

“Tudo bem com você, Sibila?”

Até estremeci! O homem tinha poder até na voz. Olhei pra ele com aquela camisa mostrando parte do peitoral sensual, peludo. Eu zuei:

“Manêro o maxi colar ae…hehehe!!”

Ele ficou boladão sem entender bulhufas… Tive que rir, ri alto. Irônica. E saí saindo…

Fui dormir cansada, enciumada, irritada. Mas compreendi o comportamento da MINHA mãe. Descobri naquele momento que eu tinha a quem puxar. A safada também gostava de carne da boa!!! Gostava de homem gostoso!

Para piorar a situação, Roger era separado e morava no Ap de cima com duas pestes mirins que chamava de filhos. Isso fez com que ele praticamente se mudasse para nosso Ap.

Ele aproveitava o sossego de nosso aconchego e namorava numa boa com a MINHA mãe, enquanto uma babá cuidava das pestinhas dele. Isso foi complicado, porque tive que dividir a atenção dela com aquele sujeito folgado e delicioso.

O gostosão cozinhava. Tinha um senso de humor incrível. A presença dele dentro de casa garantia muitas gargalhadas. Um homem que encantava com sua inteligência.

Mas isso era na verdade um problema, uma merda, tá?! Estava encantada demais com ele. Aquilo não ia prestar!

Passei a provocá-lo usando roupas bem curtinhas, transparentes e blusinhas de alcinha que praticamente deixavam meus seios empinados à mostra. Mas era nos meus ensaios na sala de dança do ventre que eu abusava da sensualidade.

Quando ele estava em casa, vestia minha roupinha típica da dança, vermelha, linda! Toda bordada por mim mesma com pedrarias, franjas e pérolas brancas. Corria para a sala. Colocava o som.

Deixava o babão viajando nos meus movimentos sensuais ritmados, mexendo os quadris, rebolando redondinho!! Meu piercing parecia pedra viva no meu umbiguinho.

O homem mesmo que não quisesse ficar excitado, ficava. Fazia aquilo só pra ele imaginar como meu corpicho era capaz de se mover gostoso embaixo dele.

Sabia que estava passando dos limites. O problema é que estava perdendo o controle dos meus impulsos.

Nas noites que minha mãe estava em casa, eles dois ficavam no quarto dela assistindo TV. Eu sozinha no meu. Minha nossa! Não suportava aquilo, queria a atenção dela e ele estava lá. Claro que algumas dessas vezes eu não resisti e fui para o quarto deles também.

Pulava na cama dos dois. Caraca!! Eu com dezenove anos agindo como uma menina de doze!! Queria “empatar” mesmo. Ela doidinha pra namorar e eu lá, só atrapalhando… Num demorava muito e saía um “ratatá” entre nós duas. Roger apenas observava.

Quando eu cismava de ir para a cama deles, deitava atrás de minha mãe. Eu a ignorava e focava na pegada dele, no modo como ele a beijava, super sexy. Via que a “bixinha” até torcia. Claro que muito discreta! Mas eu sabia o nível de tesão ali. O problema era que eu ficava muito excitada…

Minha nossa!! Eu ficava louca todas as vezes que ele a pegava. Que tesão de homem!!

Ele num era burro nem nada, sabia que eu estava caidinha por ele. Meus olhares denunciavam meu desejo. Em alguns momentos quando ele a beijava, olhava em meus olhos, e aí que ele a pegava com mais vontade, bem ali do meu lado, só para eu ver, para me provocar. Uma tentação!

Numa segunda-feira, daquelas bem chatas, cheguei cedo da faculdade. Já sabendo que ia passar um filme bem legal, depois de uma novela patética num canal ridículo de TV.

Fiz valer o “cariazinho de oreia” que existe dentro de mim e passei direto pro meu quarto. Tomei um banho. Coloquei aquele short doll, e parti pra agressão.

Perdi a linha e fui pro quarto deles muito mal intencionada. “Tadinha dela, tadinha dela” eram meus pensamentos. Meu coração doía, mas minha bucetinha piscava pro cara. Eita! dilema do cão!!

Como sempre, pulei na cama. Porém, nesse dia me joguei bem no meio dos dois, debaixo dos lençóis, como nunca tinha feito antes. Percebi que Roger já estava excitado. Que loucura!!

Senti seu pau duro na minha bunda. Que tesão que me deu! Esfreguei meu corpo no dele. Ele permaneceu imóvel. Parecia querer meu corpo roçando no dele debaixo do edredon com minha mãe do lado.

Evidente que ela ficou puta! Na hora, me mandou sair da cama e ir pro meu quarto. Ela sabia da situação do homem dela. Lógico que rolou mais um stress, pois tinha acabado de quebrar o clima do casal. Mas obedeci e fui pro meu quarto “boladona”.

Eu estava muito confusa, tão confusa!! Passei uma noite de cão. Rolava na cama, sem conseguir dormir. Então, no meio da madrugada, me levantei pra ir à cozinha beber água.

Saindo do meu quarto, no corredor, escutei uns barulhinhos suspeitos vindos do quarto deles. Não me contive e me aproximei da porta. Pra minha surpresa, estava entreaberta. Fiquei quietinha olhando pela greta. Minha nossa!! Que visão!!

Vi minha mãe da cintura pra baixo toda arreganhada com ele entre as pernas dela lhe chupando a buceta com vontade.

Que coisa louca!! Ela rebolava na língua dele, sussurrava! Ele a segurava pelos quadris, lambendo sem parar! “Caraio veio”!! Que tesão desgraçado que me deu! Fiquei enlouquecida vendo aquela cena.

A intensidade dos movimentos dele aumentou à medida que ela ia demonstrando a chegada do seu orgasmo. Vi a barriguinha branquinha dela subindo e descendo com mais rapidez.

Nesse momento ele também fodeu com os dedos a buceta dela, não vi quantos. Ele estava de frente pra mim e se acabando de tanto sugar e esfregar a buceta da minha mãe.

Até que ela chegou ao orgasmo, premiando-o em seu delicioso trabalho, contraindo-se toda, gemendo exaltada e gozando loucamente. Fiquei extasiada. Até minha respiração se tornou ofegante.

Porém, o que eu menos queria aconteceu: meu olhar atraiu o dele. Que merda!! O safado olhou cinicamente pra mim e a chupou com mais gana, me deixando completamente ensandecida.

Entrei pelo corredor com tanto tesão que enfiei a mão dentro do short doll até na minha bucetinha e fui apertando meu grelo com força, da porta do quarto deles até chegar na minha cama.

Então, já deitada, esfreguei gostoso. Enfiei os dedos na buceta, me masturbei com muito tesão, gozei forte. Depois dormi feito um bebê.

Na manhã do dia seguinte, minha mãe já tinha ido trabalhar, e eu estava na cozinha preparando meu café da manhã em pé frente a pia, quando Roger me assustou.

Chegou de mansinho bem por trás de mim e me agarrou com força, apertando seu pau mega duro na minha bunda. Meu coração disparou. Ele me beijava pelo pescoço sem parar. Me agarrando com vontade.

Que delícia de beijos!! Fiquei “molinha” nos braços dele e empinei a bunda pra roçar ainda mais em seu pau. Mas nesse momento me bateu aquela “neura”, e eu só pensava nela. Minha reação foi imediata. Empurrei Rogério com meu corpo e tentei sair do agarro firme dele dizendo:

“Que é isso, Rogério??!! Tu tá doido?! Pirou!!? Para com isso!”

“Ahhh!! Sua safada, tá achando que tenho sangue de barata??!!”

E continuou me agarrando com força, me beijando, me lambendo toda.

“Por favor! Me solte, foi mal, não posso fazer isso com ela…”

“Abusada!! Sou homem! Provocou, agora aguenta! Cachorra!”

“Tu tá louco! Me solta!!”

E falei isso em tom bem hostil, tentando dar umas cotoveladas nele.

“Vou te fuder com força, num é isso que tu quer, sua vadiazinha gostosa??!”

“Me larga seu grosso!! Vou contar tudo pra minha mãe seu tarado!! Estúpido!!”

“Conta!! Pode contar!! Que eu falo pra ela o que tu tem feito por aí pra me atiçar!”

“Por favor! Me deixe! Num quero mais…”

Dei uns arrancos. Ele afrouxou os abraços e me deixou escapar para o meu quarto. Juro que tentei mudar o foco do tesão. Tão difícil isso!!

Sou uma menina que exala a fúria dos hormônios, que transpira volúpia. Sucumbia os meus sentimentos e sensações em relação aquele homem que me fazia molhar a calcinha só de ouvir a sua voz. Era complicado demais. Eu o desejava muito.

O chato era que quando eu chegava da faculdade, Roger já estava lá esperando minha mãe. Eu passava direto e reto para o meu quarto e me trancava lá.

Quando ela chagava os dois iam pro quarto. Meter e gemer. Ai! que raiva dessa lua de merda!!! Eu escutava tudo do meu quarto.

Numa madrugada daquelas, não resisti aos gemidos vindos daquele quarto. Levantei e fui pra atrás da porta que eles faziam questão de manter entreaberta.

Cambada de “bixo” burro!! Será que num passava na cabecinha oca deles que eu poderia escutá-los??! Pow… Sacanagem isso, tá!!

Quando olhei pela greta, ela estava de quatro na lateral da cama com ele de pé fudendo com força. Vi a bunda dele. Que delícia! Fiquei louca de tesão!! Aqueles músculos em ação, o corpo dele em movimento e ele tão concentrado.

Que perfeição!! Tesudo do caralho!! Foi simplesmente a coisa mais excitante que já vi!! Que homem maravilhoso!! Minha bucetinha latejava gostoso… Meu tesão aumentava ainda mais diante da expectativa de vê-lo gozando.

Sem querer enfiei minha pequena mãozinha dentro de meu pijama e comecei a esfregar com movimentos aleatórios minha buceta, que naquele momento já estava encharcada. Friccionava delicadamente meu grelo enquanto via a cena. Ela gemia. Ele bufava. Eu me tocava.

O safado dava tapas bem espalmados na bunda gorda e empinada dela. Que coisa!! Estava morrendo de tesão, me masturbando na porta do quarto de minha mãe vendo ela sendo enrabada com volúpia por um homem em transe de tanto prazer.

Ele socava com vontade, sem dó. Eu estava no meu limite do tesão, quase gozando, vendo aquela foda tesuda do cacete, sentido o cheiro, escutando os sons, pra lá de enlouquecedores. Eu louca, só esperando ele esporrar gostoso dentro do cuzinho dela…minha nossa!! Que louco isso!

Transcendeu todas as formas da razão me restando apenas a insensatez do prazer, e a vontade desesperada de gozar…

Até que ele urrou feito animal deixando seu corpo dobrar-se sobre o dela. Ai que delícia!! Minhas pernas bambearam, meu coração disparou.

Não foi possível suportar, esfreguei freneticamente minha buceta e gozei como uma cachorrinha no cio. Forte, gostoso e em total silêncio. Saí dali extasiada para o meu quarto.

Alguns dias depois, cheguei cedo da faculdade e fui tomar banho na suíte da minha mãe. A porra do meu chuveiro tinha queimado!! Tomei um banho bem demorado e relaxante ao som de Rihanna.

Terminei meu banho. Saí nua em pêlo do banheiro, apenas com a toalha enrolada na cabeça. Fui em direção do meu quarto, mas fui surpreendida por Roger, dando de cara com ele nuazinha no meio do caminho. Nunca que eu ia imaginar que ele entraria justamente naquela hora lá.

Roger parecia estar hipnotizado me olhando. Fiquei estática, não me movi por algum tempo até me dar conta que tinha que sair imediatamente dali. O problema que eu era obrigada a passar por ele no corredor para entrar no meu quarto.

Então, puxei a toalha da cabeça rapidinho e me enrolei nela. Dei alguns passos lentos em direção ao meu quarto. De cabeça baixa. Roger só usando bermuda e chinelos, ficou me esperando.

Eu já estava adivinhando o que estava por vir. Quando ia passando por ele ficando lado a lado, fui empurrada e presa contra a parede, gritei logo:

“Deixa eu passar Roger! Para com isso!!”

“Você me deixa louco!!”

“Tu tá ligado que não podemos, não devemos…”

“Olha só como você me deixou!!”

Com seu corpo colado ao meu, Roger se moveu agressivamente, roçando sua pica duríssima na minha buceta, me segurando pelos braços com firmeza. Fiquei louca nessa hora. Mas disse:

“Me deixe passar, não quero… Minha mãe! Pensa nela!”

“Num to vendo ela aqui!! Só tem nós dois!”

“Então!! O que tu á fazendo aqui Roger??! Por favor! Rala peito!! Vaza! Sai voado!! Some cara!!”

“Putinha safada!! Não aguento mais…”

E puxou com força a toalha que me envolvia, me deixando complemente nua. Meteu a mão com vontade na minha bucetinha, alisando-a todinha, por dentro e por fora.

Depois se abaixou para chupar como louco meus seios durinhos. Tentei me abaixar pra sair do domínio dele, mas ele era muito forte e me segurava com força contra a parede. Dizia:

“Quieta!! Fica quieta ou pode se machucar!!”

“Por favor Roger, não!!”

Parecia que aquele homem ia me devorar, me chupando, esfregando com violência seu corpo no meu. Eu já estava morrendo de tesão sentindo pele dele sem camisa na minha, seu pau duro debaixo da bermuda, roçando na minha buceta. Foi coisa de doido. Mas mesmo assim tentava fugir dele.

“Fica quieta PORRA!!”

“Me solta!! Por favor!”

“CALA A BOCA, Puta!!”

” Não, por favor, assim não!!”

“Anda!!… Abre as pernas!! Tô perdendo a paciência, vadia!!”

Girou-me rapidamente me imobilizando de costas para ele e de cara para a parede. O homem transtornado pelo tesão, separou meus pés com os pés dele, me deixando com a pernas bem abertas, encurvou o corpo pra esfregar sua pica duríssima na minha bunda e modificando seu tom de voz disse:

“Deixa eu te chupar o cuzinho?! Empina a bunda gostosa pra mim vai!!”

“Aimm!! Rogerr…nãooo…”

Que tesão do caralho!! Aquele homem tesudo que eu desejava mais que tudo, ali, tentando me chupar. Mesmo sentindo medo dele. As investidas que me dava, me deixavam extremamente excitada, afinal ele tinha se transformado em um lobo selvagem, e em poucos segundos, sem perder sua autoridade e poder, estava doce outra vez.

Coagida, empinei a bunda. Ele se abaixou atrás de mim, minha nossa!! Ele enfiou a cara na minha bunda redondinha. O nariz, queixo, a língua dele molhada, quente!

Procurando meu cuzinho. Lambendo tudo, que delícia!! Latejei horrores! Minha bucetinha encharcou. Mas ainda resistia.

Roger enlouquecido, me chupou por trás. Foi maravilhoso, mas eu tentava de tudo para sair dali, movimentava meu corpo para dificultar as ações dele. Foi quando ele parou de me chupar, se levantou e me arrastou agressivamente para o meu quarto.

Muito puto com minha resistência, cumpriu o que estava me prometendo. Sentou-se na cama. Me deitou de bruços no colo dele de bunda para cima. Caraio véi!! Que mão pesada! E foi me dando tapas estrondosos na minha bunda branquinha.

“Toma sua vadia!! Pra você aprender!!”

“Para Roger!! Tá doendo!! Para!”

“Quando eu mandar!! Obedece!! Putinha safada!”

E me deu muitas palmadas, até minha bunda ficar vermelha, quase roxa de tanto apanhar. Eu gemia a cada palmada da mão forte de homem másculo, que me espancava com vontade, me castigando…

Quando se deu por satisfeito pelas palmadas vigorosas que desferiu contra minha bunda, alisou minha buceta, enfiando a mão por trás pra verificar a umidade contida na minha grutinha, que já transbordava melzinho até para minhas coxas.

Aqueles tapas, minha nossa!! Foi estranho porque gostei de apanhar dele. Fiquei fissurada de tesão. Prazer e dor…Que mistura alucinante é essa?! Nussudeuso!!

Em seguida, Roger me tirou de seu colo, ficou de pé em minha frente, tirou a bermuda junto com a cueca, ficando totalmente nu. Lindo! Que homem maravilhoso!! E logo veio a ordem:

“Se abaixa e me chupa!”

Ai como eu queria!! Ai como eu não podia!! Ai como eu resisti!!… Fechei a boca. Mas Roger me puxou com estupidez, me fazendo ajoelhar diante dele.

Pegou-me pelos longos cabelos molhados. Bateu seu pau grande, taludo e DELICIOSO na minha cara algumas vezes. Depois o levou até minha boca e disse:

“Chupa gostoso! Que sei que você gosta! Engole tudo!”

Só me restava obedecer. Abri a boca, e comecei a chupá-lo com todo o meu tesão. Um frenesi de prazer me invadiu por completo ao ver aquele homem delicioso entorpecido com minhas carícias. Chupei com afinco. Lambia a virilha, sugava as bolas, enquanto massageava o mastro rijo.

Observava o seu tesão, olhando em seus olhos. Chupei gostoso e sem pressa a cabeça daquele “paudurístico”, troncudo. Depois fui engolindo aos poucos e aumentando o ritmo da chupada.

De repente, ele se contorceu, segurou com mais força meus cabelos, me forçando com seu pau até atravessar minha garganta. Gemeu exaltado, gostoso.

Sem avisar, o tesudo jorrou seu esperma na minha boca. Engasguei, mas continuei chupando, engolindo até a última gotinha.

Aproveitei que ele deu uma caída depois da gozada forte e tentei escapar. Mesmo depois de pagar um boquete pra ele, sentindo um tesão descomunal, me doía a ideia de saber que aquele homem era o homem da minha mãe. Ele meio que sem forças e ofegante, me segurou pelo braço e disse:

“Sua vadia! Que chupada! Você num vai sair assim não!!”

“Ahhh! Chega!! Já deu!!… Agora me deixe ir…”

Estava louca de tesão, minha buceta estava latejando como nunca, toda babada, meu grelo teso. Minha buceta linda que amo amo amo de paixão, inchada, uma delícia quando ela fica assim. Mas num era pra fazer… O remorso me consumia.

Puta que pariu!! O pau não descia! Ele tinha forças. Que homem tesudo! Roger me levantou bruscamente e conduziu até a parede.

De pé, me colocou de costas pra ele. Abri só um pouco minhas pernas. O gostoso ajustou sua altura a minha abrindo bem suas pernas.

Depois foi rompendo a fenda encharcada com sua pica duríssima e caprichou numas pinceladas escorregadias perfeitas por trás. Até que seu pau encaixou na entrada da minha buceta e foi metendo arrochado, espremendo o pau dele.

“Tesuda do caralho!! Que buceta apertada!!”

“Ahhmmm!!”

Quando seu pau estava preenchendo completamente minha buceta, senti um arrepio. O tesão foi ao extremo, que pau delicioso!! Que homem delicioso!! Socadas maravilhosas, vigorosas que ele metia, na minha buceta. Minha nossa!!

Minhas pernas já estavam fraquejando, ele me segurava. Mas esfreguei com energia meu grelinho, ao mesmo tempo que levava aquelas estocadas supremas. O ritmo cadenciado de nosso sexo abrasado, e o tesão cada vez intenso foi nos tomando inteiros.

Minha buceta já anunciava a chegada do gozo, minha respiração ficou mais ofegante, o coração batia rápido. Meudeuso!! Minha bucetinha deliciosa, iniciava as mais prazerosas contrações apertando o pau dele sequencialmente. Sem parar!! Parecia que não ia parar de gozar.

Roger não suportou as trancadinhas da minha buceta mastigando o pau dele. Ele, como lobo selvagem. Eu como fêmea no cio. Nós dois, juntos, pulsando nossos sexos simultaneamente… Gozamos deliciosamente. Foi a perfeição!!

Acabamos de gozar intensamente, nos jogamos na cama e fudemos gostoso e até esfolar o resto da madrugada.

Depois de tudo, nós dois perdemos completamente a vergonha na cara. Sempre que podíamos tirávamos uma rapidinha. O safado era gostoso demais. Dava conta de mãe e filha.

Além das noites que minha mãe cumpria plantões extras e nós passávamos a noite todinha metendo gostoso na cama dela. Ele também saía da cama dela e vinha pra minha durante as madrugadas.

Eu já tinha perdido a noção do certo e errado, estava refém do tesão que tinha por ele e pelo medo de magoar a pessoa que eu mais amava.

Não consegui resistir a Roger. Minha vida se tornou conflituosa, minhas notas caíram, estava agressiva, dando “patada” em todo mundo.

Minha deusa, estava ausente demais pra perceber o que rolava dentro da própria casa entre a filha e o macho dela. Até que um dia ele não dormiu em casa.

Ao amanhecer, corri pra cama dela de manhã pra matar a saudade do “Bom dia”. Pulei por cima dela na cama. Rimos um bocado. Depois fiquei esperando que ela saísse do banho deitada em sua cama, como sempre. Quando ela saiu do banheiro e veio se arrumar pro trabalho me falou:

“Sibiilaaaa!! Tenho que te contar uma coisa!!”

“Fala, mãe!”

“Então!! Lembra do Dr Joaquim?”

“Aquele médico plantonista da UTI?… Tô ligada!!”

“Vou te contar, mas num é pra tu me condenar não, heim!!”

“Fala logo, mãe!! Já tô ficando bolada, pow!!”

“Estamos juntos a mais de dois meses!! To xonadina…”

“Caraioooo! mãe!!! Cê tá doida?!!”

“Agora num sei o que vou fazer com Roger!!…”

“Hahaha!! Bolei mãe!!”

Ri muito tá. Tenho mesmo a quem puxar, neh!! Filhinha de peixe “peixinha” é!! Olha a cachorra safada!!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s