Fogo supremo da vizinha.

Acho que a mulher tinha um fogo que ardia intensamente. Ela era minha amiga e eu passava sempre na frente da casa dela quando estava me deslocando para o comercio local. Sempre de shorts e camiseta, pedalando minha bicicleta, porte atlético e muita disposição.

Como também trabalhava com informática, era instrutor em uma das escolas da região, surgiu ai a desculpa que ela queria para o contato.

Certo dia ela solicitou minha presença e apresentou o problema, tinha acabado de fazer um curso de informática mas não tinha certeza se tinha aprendido e se eu poderia dar alguns esclarecimentos para ela.

Resultou que marcamos um dia e hora para que ela fosse até minha casa, ela era do tipo baixinha

cheinha, de seios médios e bundinha arrebitada e tinha uma andar malicioso, daqueles que balançam devagar e sempre.

Chegado o dia lá estava ela, vestida informalmente com uma camiseta de mangas cortadas, sem sutiã, o que me deixou pensativo.

Coloquei ela diante de um PC e comecei a dar umas dicas e fazer perguntas, notei que ela estava bem desatenta mas não dei muita importância.

Não pude deixar de notar que através da cava da manga eu podia avistar todo o seu seio, que parecia estar com frio, haja visto que o seu mamilo estava enrijecido.

“Voce está sentindo frio? Posso diminuir a potencia do ar condicionado…” – indaguei num tom meio de brincadeira.

“Por que?” – retrucou ela.

Senti o meu coração acelerar, o pulso ficar mais rápido, um friozinho na barriga mas resolvi seguir em frente e com um sorriso meio amarelo no rosto, indiquei-lhe, com os olhos, os mamilos que estavam quase furando a blusa e complementei:

“Parece…”

“Gostou…? – perguntou ela sem ao menos olhar para os seus seios.

“Ainda não vi o suficiente para poder formar um opinião…” – respondi de bate pronto.

“Quer ver?” – perguntou me ela em tom malicioso.

O meu silencio e o olhar fixo no seu peito respondiam a sua pergunta, ela então puxou a camiseta por cima da cabeça, desnudando assim um par de seio maravilhoso cujos mamilos apontavam para o infinito.

“Você já deve ter visto coisa melhor na internet, não é mesmo?” – disse ela displicentemente.

Confirmei dizendo que até tinha alguns guardados no PC, ela então pediu que eu mostrasse. Tinha um vídeo em especial, com um negão com uma rola bem parecida com a minha, foi o escolhido, porque além da coincidência do tamanho, também era um vídeo mais longo que os convencionais.

Enquanto procurava o vídeo fui me encostando por trás dela e, no movimento do mouse, meu braço se aproximou dos seios que tanto se ofereciam.

Coloquei o filme para rodar e, como em todos, sempre começam com um boquete. Enquanto ela ia olhando eu comecei a acariciar os duríssimos seios que ela possuía.

O filme rolava, eu massageava os seios dela, minha pica crescia dentro do short e a respiração dela ia ficando cada vez mais alterada.

Num dado momento, reparando no tamanho do “brinquedo” do ator, ela confessou me o desejo que tinha de sentir algo parecido para poder fazer tudo aquilo que a atriz fazia no filme.

Discretamente tirei minha pica para fora e, como ela estava sentada e eu em pé atrás dela, coloquei sobre o ombro dela devagar, ela estava tão concentrada com as cenas que desenrolavam no monitor que so percebeu a minha pica quando ela tocou no seu ombro.

“NOSSA!!! que coisa linda!” – e começou a alisar com as duas mãos dizendo – “eu sabia que so podia ser desse jeito…”

Começou então a chupar devagar e foi se animando, enquanto eu ia tocando uma siririca nela. O desejo nela cresceu rapido e antes que eu tomasse a iniciativa ela sentou-se na mesa da sala, puxou a saia para cima e arreganhou as pernas dizendo:

“Vem meu macho… mete logo essa pica gostosa na minha buceta… mete…”

Olhando aquela bucetinha rosada na minha frente não resisti, cai de boca nela para deixa-la bem lubrificada, o que notei não ser preciso.

Levantei me e aproximei me dela que segurou a minha pica e puxou em direção a sua bucetinha, quando a cabeçona se alojou entre os lábios ensopados da sua buceta eu meti a rola toda de uma só vez, até o talo.

“Aiii… meu Deeeeuuuussss… que…. que…. pi… pica… gostooooosaaa…” – disse ela suspirando forte e gemendo alto.

Como ela estava sentada na mesa podia ficar olhando a minha pica entrar e sair da sua buceta e isso a deixava ainda mais excitada ainda.

“Iiiisssooo… seu filho da puuuutaaa… me fooode… soca essa pica deliciosa com força… soooca…!! – pedia ela atracando-se em meu pescoço.

Ficamos naquela posição por um longo tempo e o entra e sai fez com que ela gozasse umas tres vezes, mandei que ela se virasse e ficasse de quatro, obedeceu olhando me de forma bem maliciosa.

Aquela bundinha maravilhosa rebolando na minha frente, pedia mais pica, a mulher era fogosa e logo ela estava rebolando e gemendo totalmente espetada na minha pica.

Eu massageava com o polegar encharcado o seu anelzinho rosado, enfiando de leve e percebendo que era muito apertado, resolvi não forçar a barra pois sabia que aquele anelzinho nunca havia sido violado ainda.

Despejei meu gozo sobre aquela bunda gostosa enquanto ela gozava ja pela sexta vez. Depois do gozarmos ela ficou sentada sobre a mesa comigo no meio das pernas dela, trocávamos beijinhos e caricias, com ela segurando e massageando suavemente a minha pica.

“Quero mais… muito mais…” – sussurrou me ela.

Ela me afastou e ficou deitada de bruços com o rosto na beirada da mesa, esticou a mão, segurou a minha pica e puxou me ao seu encontro, abriu a boquinha e começou a engolir a minha pica… como chupava gostoso!!

Estiquei os braços e comecei a acariciar as suas costas, depois comecei a massagear a sua bundinha e a meter e tirar a minha pica da sua boquinha que mais parecia uma bomba de sucção.

Levei então uma das mãos até a sua buceta, por trás, melei um dedo na sua buceta e subi deslizando pelo seu rego até atingir o seu anelzinho, ela estremeceu toda com a leve pressão que fiz no seu anelzinho e passou a chupar com mais sofreguidão.

Repeti o movimento com os dedos várias vezes, deixando o seu anelzinho estava bem meladinho. Comecei então a forçar o seu anelzinho com meu dedo que sem muita resistência foi tragado pelo seu buraquinho quentinho e apertadinho.

Ela empinava e rebolava a bundinha ao mesmo tempo em que chupava e mordia carinhosamente a minha pica, logo o seu anelzinho agasalhava mais um dedo meu que foi recebido com muitas mordidas devido as fortes contrações que aquele buraquinho estava tendo.

“Aii… por favor… come o meu cú… come… eu quero… estou louca de vontade… mete logo… mete…” – implorou ela entre suspiros e gemidos.

Pedi então que ela ficasse de quatro sobre a mesa, ela obedeceu, colou o rosto sobre a mesa, levou as mãos para trás segurando os dois morrinhos gemeos e arreganhando e expondo totalmente o seu buraquinho rosadinho.

Subi em cima da mesa e me posicionei sobre o seu corpo, segurei a minha pica e direcionei a cabeçona para a entrada do seu buraquinho, forcei suavemente e o buraquinho apertadinho cedeu e acolheu a cabeça da minha pica.

image host“Ahhhnnnn…. que gostooooooooooosoooooooo…..!!!!” – gemeu ela bem alto – “Mete… mete maaaaiiiissss… eu queeeeroooo… meteeeee….!!!” – implorou ela.

Diante deste apelo fui metendo lenta e firmemente a minha pica até o talo, quando as minhas bolas encostaram nos lábios da sua buceta senti a musculatura do seu cuzinho passar a comprimir a minha pica, parecia que estava chupando.

“Aiiiii…. se… seuuuu…. puuuuuutooooo…. dei…. deixa… assiiiiiimmmmm…. deiiiiixaaaa… eu… eu… eu…. to… go… gozaaaannnnnndo… ai… meu deus…. to gozando… to gozaaannndo pelo cúúúú… aiiiiiiiii….!!!!!! – gritou ela bem alto.

O corpo dela parecia estar tendo uma convulsão e as paredes do seu cuzinho não paravam de massagear a minha pica, tive que fazer o maior esforço para não acabar gozando logo, queria curtir mais aquele cuzinho gostoso.

Depois que ela gozou, ficamos deitados sobre a mesa trocando beijinhos, a minha pica continuava dura como uma barra de ferro.

“Agora vamos dar uma trato nessa pica deliciosa…” – disse ela, rolando pra cima do meu corpo.

Ficou agachada sobre o meu corpo, segurou a minha pica e direcionou para a sua buceta toda ensopada, fui literalmente tragado até o talo!! Ela subiu novamente o seu corpo, agarrou a minha pica e desta vez mirou o seu cuzinho.

image host“Ahhhnnnn…” – gemeu ela enquanto agasalhava toda a minha pica no seu cuzinho apertadinho e quentinho.

Com a minha pica toda atolada no seu cuzinho ela passou a rebolar freneticamente, a minha pica parecia dançar dentro do seu cuzinho quentinho, passei então a socar bem forte de baixo para cima, ela pareceu entrar em transe.

“Huuuuummmmmmmm….” – gemeu ela, beijando a minha boca e enroscando-se toda no meu corpo – “Ahhhhmmmmm……” – gritou ela soltando uma voz rouca e retesando o seu corpo sobre o meu, eu já me encontrava no limite.

A cada jato de porra que eu despejava dentro do seu cuzinho, a boca dela parecia querer me engolir e o corpo dela estremecia todo, dei uma ultima estocada firme e fiquei com o corpo todo retesado, ela empurrou a bundinha para trás e aos poucos fomos nos acalmando.

Até hoje as coisas andam relativamente bem entre nós e constantemente sou requisitado para apaziguar o fogo da minha vizinha preferida… e que fogo!!!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s