Uma bela troca.

Olá! Meu nome é Sabrina e meu marido chama-se Sérgio. Somos um jovem casal. Vou contar pra vocês algo que aconteceu há pouco tempo.

Eu tinha uma fantasia já há algum tempo. Sempre gostei de sexo, mas quando não transamos, me masturbo pensando em outro homem e meu marido pegando-nos no flagra, depois participando do sexo. Já tentei conversar com ele sobre o assunto, mas delicadamente. Ele sempre tentava desviar o assunto quando eu expunha minhas fantasias, talvez por medo de que isso pudesse abalar nosso relacionamento.

Foi então que eu contava relatos de outros casais amigos, das experiências deles e abrir mais o horizonte do meu marido. Depois de ousar um pouco, tudo teve início.

Um casal bem amigo nosso disse que, em uma excursão, transaram com um outro casal também da excursão. Minha amiga contou-me tudo, mas claro, é um assunto privado. Fiquei sabendo por ela que meu marido também sabia da história, pois o marido dela havia contado para Sérgio. Disse também que meu marido havia gostado da ideia e que eu já havia tocado neste assunto com ele.

Bom, era o que eu precisava para realizar minha fantasia. Comecei a pensar no marido de Clara e comecei a sentir excitação, tanto por ele quanto por ela. Imaginei Pedro, o marido de Clara, transando comigo e o Sérgio assistindo e participando. Pensei também como seria minha primeira experiência lésbica com Clara, que é muito bonita. Fiquei bastante excitada em imaginar-me na cama com os dois.

Passado um tempo, no inverno, decidimos jantar os quatro juntos, na casa de Clara. Estava frio e comemos um delicioso fondue de queijo, acompanhado de excelentes vinhos. Eu já estava um pouco alegre por causa do vinho e comecei a insinuar-me para o Pedro. Numa dessas jogadas, passei de leve meu pé sobre seu pau, por baixo da mesa. Ele me olhou com uma cara de assustado, mas depois disso não parava mais de olhar para mim. Na segunda vez que passei meu pé, percebi que seu pau já estava duro.

Ele começou a ficar mais nervoso e isso me excitava cada vez mais. Estávamos num delicioso jogo de sedução. Foi então que eu e Clara fomos à cozinha buscar mais um vinho. Abri o jogo com ela e disse o que tinha feito, além de explicá-la que, depois do que ela me contou, eu estava é com muita vontade de transar com eles.

Ela ficou um pouco sem jeito, mas logo passou as mãos nos meus cabelos e disse:

– Isso vai ser fácil pra mim, porque você é muito bonita. Pedro também não vai negar, porque ele também te acha muito gostosa. Mas e o Sérgio? Será que ele topa? Eu disse para ela provocá-lo, para ele entrar no clima e logo entraria no jogo também.

Foi então que ela fechou a porta da cozinha, empurrou-me contra a geladeira e disse:
– Vamos começar agora mesmo…

Ela beijou-me, passou as mãos pelos meus seios. Logo levantou meu vestido e tocou-me por cima da calcinha. Estremeci naquele momento e abafei meu gemido para que os homens ainda não ouvissem o que fazíamos. Eu já estava com muito tesão, pois até que enfim poderia sair da rotina de sexo só com o marido.

Ela afastou a minha calcinha e começou a me dedilhar. Que delícia era sentir seus dedos no meu grelinho… Ela enfiava devagar dentro da minha bucetinha molhada e disse que logo me chuparia. Nos recompomos e voltamos para a sala de jantar.

Eu tremia de ansiedade, nervosismo, tesão. Como era bom estar com uma mulher, ainda mais minha amiga Clara.

Os dois perguntaram:

– Por que demoraram tanto?

O Pedro parecia já ter percebido o que se passava e o que iria acontecer daqui a pouco, só pelo olhar de Clara.

Ele me olhou da cabeça aos pés, como se quisesse que tudo acontecesse agora. Sentei-me e posicionei meu pé novamente por cima de seu cacete. Ele segurou meu pé e começou a apertá-lo contra seu pau, massageando-o.

Depois de outros vinhos, fomos para cozinha eu e Clara e disse para ela provocar Sérgio de todas as maneiras. Clara passou a perna por baixo da mesa, em Sérgio. Ele olhou para mim assustado, mas fingi que não vi nada. Ela continuou a provocação: olhava para ele e passava a língua nos lábios, os dedos por dentre seu decote. Eu fingia que nada estava vendo.

Nessa hora, coloquei a mão no pau de Sérgio e percebi que estava duro e quente. Ele olhou meio assutado pra mim e queria se explicar. Mas antes, cochichei em seu ouvido:

– Hummm acho que temos que dar um jeitinho nesse seu pau, precisa de uma chupadinha…

Eu queria era deixá-lo mais excitado ainda com a situação. Foi quando Clara disse para irmos à sala, ficarmos mais à vontade. Ela pegou mais uma garrafa de vinho, levou-a para sala. Cada um levou sua taça também. Ela ligou uma música e serviu a todos de vinho. Ela estava de pé, então, ao servir o vinho, tinha que abaixar-se. Vi como Sérgio olhava para suas pernas e, quando ela foi servi-lo, ele olhou profundamente para seu decote. Clara ainda provocou-o ao lentamente passar um dedo no meio dos seios. Foi então que ela deitou-se no outro sofá pequeno, com a bunda virada para nós e o vestido um pouco levantado e disse que adorava essa música.

Eu levantei-me e os homens também, começamos a dançar um pouco de olhos fechados. Nessa hora, sinalizei para Pedro, para que ele fosse até o quarto deles. Eu sabia que Clara daria um jeito no meu marido. Depois de uns 5 minutos que Pedro se foi, fui atrás dele.

Entrei e ele já estava batendo uma punheta quando cheguei. Não hesitei e caí logo de boca naquele mastro quente e duro. Chupei devagar no início, ia acelerando os movimentos. Enfiava seu pau até a minha garganta, lambia a cabeça.

Ele dizia pra mim que estava com muito tesão e que sempre quis me comer. Sempre imaginava eu abocanhando seu pau, chupando gostoso. Eu queria logo era cavalgar naquele pau, mas primeiro queria ver o que acontecia na sala com Clara e Sérgio.

Fui à sala, mas eles não estavam mais lá. A música estava alta, não dava para ouvi-los. Fui então em direção à lavanderia, onde fica também o quarto da empregada. Ela o tinha levado para lá. A porta estava entreaberta e vi que ele chupava sua bucetinha. Ele não me viu, estava de costas para mim. Ela olhou-me e sorriu.

Saí e fui buscar Pedro. Ele já estava pelado. Puxei-o e fomos em direção ao quarto da empregada. Abri a porta com força, para que Sérgio percebesse. Ele arregalou os olhos e olhou para mim, mas ao ver Pedro, continuou a chupar Clara. O tesão era mais forte.

Pedro tirou minhas roupas e me encostou na parede, de costas para ele. Logo passou seu dedo pela minha bucetinha molhada e depois passou seu pau na minha entradinha. pincelou umas 3 vezes e meteu com força. Começou a me comer na frente do meu marido. Eu olhava para ele e via como ele sentia tesão de ver outro homem me comendo… E isso me deixava mais excitada ainda. Eu gemia, pedia para Pedro socar mais forte.
Pedro dizia:
– Sua putinha safada, você queria isso o tempo todo, não é? Sérgio, olha sua mulher aqui, dando a buceta pra mim. Tá pulsando de tesão, olha só…

– Sérgio, meu amor, tá bom pra você assim, tá? A Clara chupa seu pau bem gostoso não é? Come a bucetinha dela que eu quero ver, vai… Depois eu quero sentir a linguinha dela na minha bucetinha…

Foi então que eu e Clara começamos a nos beijar. Eu e ela deitamos na cama, acariciando nossos corpos e nos beijando. Logo Clara desceu e ficou de quatro para chupar minha bucetinha. Os dois homens estavam batendo uma punheta e olhando o que fazíamos. Foi então que Sérgio agarrou o quadril de Clara e meteu na bucetinha dela, enquanto ela me chupava. Ela gemia e dizia:

– Hmmm que pica gostosa você tem, Sérgio… Me come bem gostoso, vai, mete tudo com força… Vem, vem, que eu quero gozar bem gostoso na sua pica…

E depois lambia novamente minha bucetinha. Pedro aproximou-de se mim e enfiou seu pau na minha boca. Eu chupava aquele cacete, enquanto Clara me chupava e era fodida por Sérgio. Era uma cena maravilhosa!! Eu já não aguentava mais e comecei a gemer mais forte, sentia um calor subindo pelo meu corpo e explodi num gozo muito forte, na boca de Clara. Ela lambia meu grelinho com destreza… Logo ela olhou pra mim e disse:

– Gostou, sua putinha… Gostou de gozar na minha boca, não é? Hum… Isso Sérgio, mete mais…

Foi então que Pedro anunciou que iria gozar na minha boca. Ele olhava Clara ser comida por Sérgio e gozou na minha boca. Lambi tudinho, não desperdicei nenhuma gota. Clara, ao ver a cena, disse também que iria gozar. Gemeu alto, gritou e rebolou com mais rapidez, até que vimos como ela desfalecia de prazer. Só faltava Sérgio gozar agora. Então, eu e Clara resolvemos chupar seu pau alternadamente. Não demorou muito e ele gozou nas nossas caras de safadas. Depois disso, fomos à sala novamente para descansarmos, todos nus. Adormecemos… Quando acordamos de manhã, aconteceram mais coisas….

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s